CCBn.DOC

by

O suicídio como perpetuação da memória.

José António Passos

      Obviamente trata-se de um sub-título provocador á imagem do pequeno texto que aqui deixei há uns dias atrás. Vem este a propósito do facto de hoje em dia a maior parte das pessoas que conhecem ou ouviram falar do escritor Camilo Castelo Branco, apenas saberem que ele se suicidou. Nada mais. Isto nota-se de maneira elucidativa no público que visita a casa museu de Camilo em Ceide, O que todos querem ver é a pistola e a cadeira. Ora este interesse por apenas este episódio da vida apaixonante e imensamente criativa do escritor, poderá ser muito positiva, e ser o catalizador para a descoberta da sua vida e obra. 

  Objectivo 

            Dar a minha modesta contribuição no campo da Arte e Comunicação Multimédia,  em termos do que precisa ser feito, ou melhor, daquilo que está á espera de ser feito. Os conteúdos,  são hoje uma grande e complexa problemática.  Aquilo que não é passível de tradução digital deixa de existir. Como tratar  da herança histórica tradicionalmente analógica? Paradoxalmente  aquilo que está a matar o analógico (era digital), poderá ser a sua salvação e até ultrapassar…O meu objectivo será  dar a conhecer e registar digitalmente a vida e obra do escritor Camilo Castelo Branco, através de um filme documentário, estruturado em narrativas não lineares, composto  por pequenos clips que poderão ser visionados independente e aleatoriamente através da internet. Este documentário terá uma dimensão dinâmica e poderá ter a participação de quem quer e de onde quer que seja, através de uma plataforma criada com esse propósito.   

Contexto

            A era digital, com a interactividade e a sua capacidade socializadora é a grande realidade deste próximo século. A aldeia global começa a tomar uma forma em que as distâncias geográficas e as barreiras culturais se esvanecem e misturam, em que as relações de poder entre o “centro” e a “periferia”tendem para a ruptura, em que com a cada vez mais elevada definição digital, aumento da largura de banda, facilidade de acesso e manuseamento tecnológico, portabilidade e mobilidade em  minúsculos  dispositivos, o cinema será cada vez mais participativo,  mais colectivo, fragmentário  e em que  o espectador deixará de ser apenas um consumidor passivo, e poderá intervir, decidir  e inclusive participar como personagem dentro da historia. Viver-se-á cada vez mais  um grande fervor criativo, em que surgirão mais e mais “autores” prontos a carregar e descarregar  os seus próprios clips na Internet. È neste contexto que me proponho criar uma estrutura para um documentário sobre a vida de Camilo Castelo Branco, composto por diversos e ilimitados clips, com incondicional proveniência. Claro que haverá sempre o “risco” da  verdade ser alterada. Mas esta,  é sempre passível de ser ficcionada e alterada. O que realmente importa é a harmonia entre o que dizer e como o dizer, entre a arte e o documento.  E neste caso o verdadeiramente importante é preservar a memória sobre a vida e obra do escritor.  Com mais ou menos detalhe, mais ou menos talento, maiores ou menores percentagens de realismo e irrealismo,  maior ou menor delirio criativo e inconformidade. Fica aquí ( a titulo de exemplo de um texto a ficcionar ) este magnífico texto do escritor, referindo-se aos seus momentos de maior inspiração criativa.

“Nesta deplorável enfermidade, que há seis anos me estila no cérebro gota a gota a peçanha da morte , achei traça de me vingar do acaso que embala o regalado dormir do meu cão, e me estrondeia nos ouvidos o marulhar das vagas entre penhascos. Vou ao jazigo das minhas ilusões, exumo os esqueletos, visto-os de truões, de príncipes, de desembargadores, de meninas poéticas à semelhança das que eu vi quando a poesia era o aroma dos seus altares. Visto-me também eu das cores prismáticas dos vinte anos, aperto a alma com as garras da saudade até que ela chore abraçada ao que foi . E, depois, nesse festim de mortos conversamos todos: e eu, no alto silêncio da noite, escrevo as nossas palestras. Às vezes, entre muitos estridores que me ressoam nos ouvidos, o mais distinto é o dobre a finados. É quando a aurora reponta: a luz espanca As imagens cujo meio de vida é a treva e o silêncio. Venho então sentar-me a esta banca, dou formas dramáticas ao diálogo dos meus fantasmas, e convenço-me de que pertenço bem aos vivos , ao meu século, ao balcão social, à industria, mandando vender a Ernesto Chardron as minhas insónias.” 

 

Noites de Insónia

Porto, Livraria Chardron , de Lello & irmão Editores1929. Vol. 1 p. 7-8.  

 Objecto 

 Filme documentário em vídeo digital, composto por vários clips sobre a vida e obra de Camilo Castelo Branco, e uma plataforma de acolhimento, divulgação e distribuição dos clips.  

 

Metodologia  

Pesquisa/investigação para uma primeira fase. Numa segunda etapa definirei todas as fases do projecto, que passarão pele criação de um guião, filmagens edição dos vídeos e elaboração da plataforma de acolhimento e distribuição dos clips. 

Horizonte temporal  

Começar no inicio do próximo semestre e terminar a estrutura básica e plataforma no fim do 3º semestre. 

Bibliografia e Referências 

  • Toda a obra de Camilo Castelo Branco.
  •  Achega para uma bibliografia das bibliografias Camilianas, Lisboa, Biblioteca Nacional, 1990, 33 p. 
  •  CABRAL (ALEXANDRE) – Dicionário de Camilo Castelo Branco, Editoria Caminho, Lisboa, 1989.
  • CABRAL (ANTÓNIO) – Camilo de perfil (1914); Camillo desconhecido (1918) e As polémicas de Camilo (1925).
  • IN MEMORIAM DE CAMILLO – Edição de Ventura Abrantes, Lisboa, 1925
  •  LIMA CALHEIROS (JOSÉ PEDRO DE) – Catálogo das obras de Camilo Castelo Branco, Visconde de Correa Botelho, Porto, 1889, e Additamento e continuação das obras de Camillo Castelo Branco, Porto, 1890.
  • MARQUES (HENRIQUE) – Bibliographia Camiliana, 1ª parte, Lisboa, 1894.
  •  MARQUES (HENRIQUE) – As tiragens especiaes da obra de Camillo, in A Revista, Porto, 1903-1904.
  •  MOTA (JOÃO XAVIER DA) – Camilliana. Colecção das obras de Camillo Castelo Branco, Rio de Janeiro, 1891.
  • NEVES (ÁLVARO) – Camillo Castello Branco – Notas à margem em vários livros da sua biblioteva recolhidas por …, Lisboa, 1916, 161 p.
  • NEVES (ÁLVARO) – “Estudos Camillianos – Bibliographia e Bibliotheconomia”, Lisboa, 1917, 16 p.
  • PIMENTEL (ALBERTO) – O romance de romancista (1890) e Os amores de Camillo (1899).
  • SANTOS (MANOEL DOS) – Revista Bibliografica Camiliana, Lisboa, 1916, III vols.
  • SANTOS (JOSÉ DOS) – Descrição bibliográfica da mais importante e valiosa Camiliana que até hoje tem aparecido à venda no mercado compreendendo tôdas as obras originais, traduzidas ou prefaciadas por Camilo Castelo Branco tanto em suas primeiras como em susequentes edições, Lisboa, 1939.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: